A neurociência do amor

4,421

Análise do cérebro de apaixonados explica por que perdemos a razão quando amamos

Quem já se apaixonou, bem sabe: o mundo não interessa mais nada, as coisas em volta não têm importância, os outros são insossos, tudo gira em torno da pessoa amada. É quase uma mania, um vício, uma obsessão. O alvo de nosso amor chega quase à perfeição – o resto fica cinza e indistinto. “O amor tem razões que até a razão desconhece”, disse o filósofo francês Blaise Pascal (1623-1662), numa expressão que se tornou lugar-comum, de tão repetida.

Cena do filme O amor nos tempos do cólera, do norte-americano Mike Newell, adaptação do romance homônimo do escritor colombiano Gabriel García Márquez.




A paixão é uma emoção complexa dos seres humanos que tem instigado a curiosidade e a manifestação dos filósofos e escritores desde sempre. Ela pode incluir outros sentimentos, como a ansiedade ou o desejo erótico, embora estes possam existir sem amor. E geralmente exclui ou minimiza outras emoções, como o medo e a raiva, e obscurece muitos aspectos da atividade cognitiva racional. Os apaixonados ficam quase inteiramente dedicados a esse sentimento.

Quem assistiu ao filme ou leu O amor nos tempos do cólera, de Gabriel García Márquez, pôde avaliar um magnífico exemplo do grau de obsessão que pode assumir um sentimento de amor. Florentino Ariza se apaixona por Fermina Daza na juventude, mas a vida corre em outras direções e eles se separam. Seu amor, entretanto, persiste até a velhice, quando se reencontram. Uma obsessão de 50 anos…

O que poderiam dizer os neurocientistas desse tão forte sentimento humano? De que modo poderiam estudá-lo?

O mapa cerebral do amor apaixonado
As técnicas de neuroimagem funcional permitiram mapear as regiões cerebrais ativadas e desativadas durante a paixão, e até compará-las com outros tipos de amor, como o amor materno. Ambos podem ser revelados em alguém pela simples exposição de uma fotografia da pessoa amada ou do filho querido: o coração bate mais rápido, um sorriso se abre no rosto e… as áreas cerebrais envolvidas nesse reconhecimento visual passam a apresentar maior irrigação sangüínea, metabolismo mais intenso e maior atividade dos neurônios. Foi esse tipo de experimento que realizou o eminente neurocientista Semir Zeki, do University College London, e seu colaborador Andreas Bartels.

A imagem mostra um plano do cérebro de um dos voluntários estudados pelos pesquisadores de Londres, indicando em vermelho as áreas associadas à paixão e, em amarelo, aquelas ligadas ao amor materno. Reproduzido de Zeki (2007).

Os experimentos mostraram as áreas cerebrais ativadas exclusivamente pela visão de fotos da pessoa amada, outras por imagens de um filho, e aquelas ativadas em ambas as condições. As áreas da paixão são as mesmas que contêm grandes quantidades do neurotransmissor dopamina e dos hormônios ocitocina e vasopressina, bem como das proteínas que os reconhecem.

Faz sentido: a dopamina é liberada nessas regiões cerebrais em situações de grande prazer, e os hormônios são secretados fortemente durante o orgasmo. A semelhança parcial entre as duas formas de amor também faz sentido. Ambas têm em comum uma vantagem biológica e evolutiva essencial: favorecem a sobrevivência da espécie, pelo acasalamento e pelo cuidado com a cria. A natureza desenvolveu engenhosas estratégias de aproximação entre machos e fêmeas, e de manutenção de um forte vínculo entre eles, assim como deles com os filhos.

A loucura do amor
O filósofo alemão Friedrich Nietzsche (1844-1900) disse uma vez, com muita propriedade: “Há uma certa loucura no amor, mas também uma certa razão na loucura”. O trabalho de Zeki de certa forma materializa essa forma literária com que Nietzsche descreveu a cegueira do amor.

As imagens do cérebro dos voluntários da pesquisa mostraram não apenas a ativação de certas áreas cerebrais, mas também a desativação de outras. E essas outras se localizam exatamente no lobo frontal do cérebro, bem conhecido pelo seu envolvimento com o raciocínio lógico e matemático, e com os comportamentos executivos – muito do que chamamos “razão”. A loucura do amor provém do obscurecimento da razão.

Novamente, os evolucionistas encontram aí um novo exemplo de adaptação biológica: um mecanismo de aproximar casais reprodutores e fortalecer seu vínculo recíproco. Sabemos por experiência própria que tudo é possível em se tratando de paixão. “O amor é cego”, diz um outro lugar-comum. O obscurecimento da razão teria a vantagem biológica de aproximar os casais mais improváveis. Se estou apaixonado, não há quem me convença de que ela não é a mais bela das mulheres…

Artigos Aleatorios

Poste um comentario