Protetor solar: aprenda a usar a quantidade correta e aproveite o verão.

7,352

Você passa protetor solar suficiente na hora de se expor ao sol? Os dermatologistas são praticamente unânimes em dizer que a maioria de nós não usa a quantidade correta, e assim acaba exposto aos malefícios do sol, como envelhecimento precoce, vermelhidão, bolhas, ardor e até câncer de pele.

Confira uma seleção de protetores para todos os gostos

A quantidade ideal de protetor solar a ser utilizada, estabelecida pelo Food and Drug Administration (FDA) -órgão do governo dos Estados Unidos que fiscaliza alimentos e medicamentos-, é de 2 miligramas de protetor por centímetro quadrado, o que, convenhamos, é uma medida difícil de ser entendida por leigos. O dermatologista e professor da Sociedade Brasileira de Dermatologia, Marcelo Bellini, dá uma orientação mais simples de ser aplicada:




Rosto e pescoço: 1 colher de chá
Tronco: 1 colher de sopa para a parte da frente, e outra para a parte traseira
Braços: 1 colher de sopa para ambos
Pernas: 1 colher de sopa para ambas

O médico esclarece que as medidas são válidas para um adulto em torno de 1,70m, com peso de 60 a 70 quilos. Para pessoas com maior peso ou altura, é necessário aumentar também a aplicação do produto.

“Para ter a proteção real que a embalagem do produto promete, é preciso utilizar o volume correto no corpo”, diz Bellini. Ele calcula que, a cada aplicação, um adulto gasta em média cerca de 20 mililitros. Um protetor que contenha 200 ml seria suficiente para dez aplicações de corpo inteiro. Já no dia-a-dia, quando as áreas expostas ao sol são menores, gastamos cerca de 8 mililitros, fazendo com que uma embalagem dure entre 30 e 40 dias.

No caso dos protetores com apresentação em forma de spray, o recomendável, segundo o dermatologista, é dar duas borrifadas em cada área que compreenda o espaço de um palmo, sem esquecer de espalhar depois com as mãos. Aliás, o modo de aplicação é um ponto importante a ser considerado. O dermatologista Mauro Yoshiaki Enokihara, presidente do Grupo Brasileiro de Melanoma e responsável pelo Ambulatório de Tumor Cutâneo do Departamento de Dermatologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) diz que o ideal é passar o produto sem roupa, espalhando bem, e não deixar de pedir ajuda para aplicar o protetor em áreas de difícil acesso, como as costas.

“Este procedimento é importante, não só porque as pessoas acabam deixando de passar em alguns trechos para não manchar as roupas, mas também porque o protetor leva de 15 a 20 minutos para começar a agir, e se você deixar para aplicar já exposto ao sol, pode ter estragos durante este tempo, no alto verão”, explica Enokihara. O dermatologista chama a atenção para as áreas que costumam ser esquecidas na hora da aplicação: nuca, orelhas, dorso do pé e a parte de trás das pernas.

Reaplicação
Não basta passar o protetor corretamente e ficar o dia todo exposto ao sol, transpirando ou entrando no mar ou piscina sem reaplicá-lo. Essa medida deve ser tomada a cada duas horas, repetindo o mesmo volume de protetor da primeira aplicação, seja qual for o seu tom de pele. “Bronzeado é uma coisa, e a carga solar que você recebe é outra coisa. Estar bronzeado não exime ninguém da reaplicação do protetor, senão a pele negra não precisaria do produto”, diz Marcelo Bellini. O médico explica que a função do filtro é apenas diminuir a carga solar que acumulamos ao longo da vida. Durante o período que o sol incide sobre o filtro solar, a capacidade de absorção desta energia vai diminuindo, aumentando o impacto dela ao chegar na pele.

Protetor sob medida
O mercado cada vez mais amplia as opções de fórmula e apresentação dos protetores para atingir todo o tipo de público. É possível encontrar protetores que aliam sua função básica ao combate às rugas, produtos que tonalizam a pele enquanto protegem do sol, fórmulas pensadas para peles sensíveis e loções livres de óleo para peles com tendência à acne. Ainda assim, segundo os profissionais, o brasileiro resiste a incorporar o protetor solar ao seu cotidiano. “As pessoas realmente usam menos do que deveriam, mesmo que tenham toda essa informação. É preciso fazer um trabalho corpo-a-corpo no consultório, pois a radiação ultravioleta existe no ano todo, ainda que tenha picos no verão. Quando acontece um estrago nesta época, é porque foi a gota d’água em um copo que já vinha enchendo durante meses”, alerta Marcelo Bellini. Por isso, fizemos uma seleção de alguns lançamentos disponíveis no Brasil, para que você faça a sua escolha e mantenha a saúde e a beleza da sua pele em qualquer época, por muito mais tempo.

Se tiver dúvidas deixe um comentário! Veja Também...

Poste um comentario